Você sabia que o seu compressor precisa fazer teste hidrostático anualmente?

Os compressores, ou vasos que funcionam sob pressão, são equipamentos considerados perigosos, que precisam de revisão anual para oferecerem condições mais seguras. Os compressores são usados em indústrias mecânicas, metalúrgicas e gráficas, entre outras.

Muitas dessas empresas seguem a regulamentação, principalmente por causa do laudo de vistoria do Corpo de Bombeiros, que acompanha os cuidados de manutenção com os compressores. No entanto, outras empresas ou profissionais autônomos não fazem a vistoria anual, situação que pode provocar sérios acidentes, inclusive letais.

Os compressores são equipamentos usados para absorver o ar da atmosfera ou outros tipos de fluidos, comprimindo e enviando para reservatórios de armazenamento e um compressor de ar deve ter o seu laudo de funcionamento e regularidade, realizado por profissionais habilitados, além de manter a periodicidade exigida de manutenção e inspeção.

As inspeções e necessárias manutenções devem ser realizadas pela empresa que deles se utiliza para evitar autuações e para prevenir riscos de explosões, suspensão das linhas de abastecimento, acidentes de trabalho e perdas de produção.

A legislação sobre compressores: NR 13

Os compressores possuem normas para seu funcionamento, inspeção e manutenção, previstos na Norma Regulamentadora n° 13 da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Segundo as informações da NR 13, vasos de pressão são os equipamentos que contém fluídos sob pressão interna ou externa, exigindo a confecção da laudos específicos para seu uso pelas empresas.

Os compressores são equipamentos submetidos, muitas vezes, à pressão interna e externa, inclusive vasos que operam com vácuo, uma vez que não existe, dentro da atmosfera, o vácuo absoluto.

São equipamentos considerados perigosos, exigindo que a empresa tenha o máximo controle sobre seu funcionamento e sob sua situação, evitando riscos para os empregados.

Os compressores, ou vasos de pressão, utilizam-se de gases ou da mistura de gases e líquidos, tendo como função o armazenamento final ou intermediário, o amortecimento de pulsação, a troca de calor, a contenção de reações e outros tipos, sendo aplicados em diversos tipos de indústrias, hotéis, hospitais e mesmo em restaurante.

A empresa tem obrigação, sob pena de multa e parada do equipamento, de manter afixado no corpo dos compressores, em local de fácil acesso e bem visível, uma placa de identificação indelével, com as seguintes informações:

  • Nome do fabricante;
  • Número de identificação e ano;
  • Pressão máxima de trabalho admissível;
  • Pressão de teste hidrostático;
  • Código de projeto e ano de edição.

Classes de compressores e classificação, segundo a NR 13

Os compressores são classificados segundo os tipos relacionados na NR 13, de acordo com o tipo de fluído e o potencial de risco para os operadores:

  • Classe A: compressores de fluídos inflamáveis, combustíveis com temperatura igual ou superior a 200°C, fluídos tóxicos com limite de tolerância igual ou inferior a 20 ppm (partes por milhão), contendo hidrogênio ou acetileno;
  • Classe B: compressores com fluídos combustíveis com temperatura inferior a 200°C, fluídos tóxicos com limite de tolerância superior a 20 ppm;
  • Classe C: compressores de vapor de água, gases asfixiantes simples ou ar comprimido;
  • Classe D: compressores de água ou outros líquidos que não comportem as classes anteriores, com temperatura superior a 50°C.

Para a classificação é necessário partir do fluído que apresenta maior risco aos operadores, às instalações ou com relação à toxidade, inflamabilidade ou concentração do fluído.

Exigências e determinações sobre o trabalho que envolve compressores

A NR 13 estabelece algumas exigências que devem ser aplicadas ao trabalho com compressores e caldeiras:

  • Os compressores e caldeiras não podem ter postergadas a data de inspeção periódica, a menos que seja por motivo de força maior e com justificativa formal do empregador, devendo ser acompanhada de análise técnica e medidas de contingência para mitigação de riscos, elabora por um profissional habilitado;
  • Para que tenha efeito, o profissional habilitado é aquele que tem competência para o exercício da profissão, como um engenheiro nas atividades referentes ao projeto de construção, de acompanhamento da operação e de manutenção, inspeção e supervisão de inspeção;
  • Todo e qualquer reparou ou alterações nos equipamentos abrangidos pela NR 13 devem respeitar os respectivos códigos e projeto e pós-construção, com as prescrições do fabricante no que se refere a materiais, procedimentos de execução, controle de qualidade, qualificação e certificação de pessoal.

Os sistemas de controle e de segurança dos compressores e outros equipamentos perigosos devem ser submetidos à manutenção preventiva ou preditiva, segundo a necessidade.

Havendo qualquer tipo de ocorrência estranha, o empregador deve comunicar o órgão regional do Ministério do Trabalho e Emprego ou ao sindicato da categoria profissional, informando o tipo de ocorrência (vazamento, incêndio ou explosão), que possa trazer como consequência qualquer situação, como por exemplo:

  • Acidentes que impliquem em necessidade de internação hospitalar de trabalhadores atingidos;
  • Eventos de grande proporção;
  • Morte de trabalhadores.

Com base em sua própria capacitação e experiência, os profissionais que operam equipamentos perigosos, como é o caso de compressores, devem interromper suas tarefas, podendo exercer o direito de recusa, sempre que for constatada evidências de riscos graves e iminentes, mantendo sua própria segurança e saúde, bem como de seus companheiros de trabalho, comunicando imediatamente o fato aos superiores e exigindo as providências necessárias.

Se sua empresa ainda não se adequou a NR13 não perca tempo: solicite seu Teste Hidrostático agora mesmo e garanta seu enquadramento no que determina a lei e tenha segurança no seu ambiente de trabalho.

Compartilhar